CONTATOS

aban@faculdadesocial.edu.br
(71) 4009-2804
 

© 2017 - Agência Baiana de Notícias - Centro Universitário UNISBA

Please reload

Posts Recentes

Couchsurfing: Para um bom viajante, um sofá basta

November 12, 2019

1/7
Please reload

Posts Em Destaque

As camisinhas do sexo virtual

June 28, 2018

Ouvir falar sobre sexo virtual remete, na maior parte dos casos, a receios e lembretes de vítimas da prática, já que a mera “brincadeira sexual” pode ser compartilhada com nomes alheios que são indesejados por um dos componentes do casal. As situações de vazamento causam cyberbullying e outras violências e, assim, o que poderia ser conectado com o prazer, acaba sendo transformado em um ato visto como imprudente.

A sexóloga Cátia Damasceno, no entanto, afirma que o sexo virtual deveria ser compreendido como uma ação saudável. “É preciso normalizar socialmente algo que faz bem para uma relação, principalmente quando estamos falando de um relacionamento de anos ou à distancia”, exclama, ainda complementando: “É tão saudável quanto a masturbação”.

Apesar de dar dicas no seu site Mulheres Bem Resolvidas, a especialista, também formada em Uroginecologia, não deixa de emitir alertas para quem pratica o ato. “Não ser tabu não significa eliminar cuidados. É necessária a atenção em qualquer atitude, ainda mais quando sabemos que as consequências podem ser levadas para uma gama de outras pessoas. Não é recomendado praticar esse tipo de interação com alguém em quem você não confie. Com a tecnologia, em pouco tempo seu vídeo erótico pode parar em algum canal de vídeo público e, mesmo saindo de lá: uma vez na web, pode jamais ser possível apagar com completude. Afinal, mil outras pessoas podem baixar o produto”, sinaliza.

Para trazer acréscimos ao aviso, a youtuber ainda pontua que, por precaução, o usuário deve: “Tomar cuidado para não mostrar o rosto ou objetos da casa que apareçam em outras das fotos postadas nas suas próprias redes sociais”. Além disso, a profissional ainda relembra que o usuário pode escolher não enviar fotos: “É possível escolher um serviço de voz em que os áudios não fiquem gravados. O efeito da voz pode ser muito estimulante, nem sempre é necessário usar a webcam. Lembre-se de como os dique-sexos faziam sucesso décadas atrás”.

É importante lembrar que a utilização de imagens sem autorização da pessoa captada, ainda que tenha sido ela a enviar a foto, é considerada crime e o infrator será enquadrado nos artigos 139 e 140 do Código Penal.  Caso a vítima seja menor de 18 anos, a situação é ainda mais danosa. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) classifica a prática como crime grave, com previsão de apreensão de 3 a 6 anos para o infrator, além de multa.

CRESCENTE
Uma pesquisa da Universidade Drexel, da Filadélfia, apresentada em 2015 na convenção anual da Associação Americana de Psicologia, definiu forte relação entre o sexting e a satisfação sexual e afetiva de casais. O estudo afirma que, no referido ano, oito de cada dez adultos dos Estados Unidos trocavam mensagens de teor sexual — e 75% destes estavam falando com seus parceiros fixos. O número, em 2018, subiu para 80%.

Mas, o que é sexting? Contração de sex (sexo) e texting (texto escrito na hora), o termo é referente à divulgação de conteúdos eróticos e sensuais através dos aparelhos móveis. A prática, que foi iniciada através das mensagens (SMS) com textos sexualmente sugestivos ou com conteúdo sexual explícito, ganhou novos formatos através dos avanços tecnológicos, que reúnem envios de fotografias e vídeos: em posições sensuais ou nus, para os quais o termo nude selfie ("selfie de nudez") é aplicado - ou simplesmente a palavra nude/nudes. 

Dados divulgados pela Ong SaferNet Brasil, em 2014, mostram que os casos de nudes vazadas dobraram no país no ano referido. O comparativo foi superior a todos os outros anos anteriores e a casos de bulying e racismo em solo nacional. Não estranhamente, a partir de 2014 a possibilidade do 3g já estava disseminada para o conhecimento de todos.

A educadora sexual Nathalia Ziemkiewicz, criadora do blog Pimentaria, alerta que o vazamento de imagens acontece pela falta de informação: “Há um lado perigoso do sexting, mas acho ingênuo e hipócrita condenar um comportamento consolidado. Vamos abastecer os jovens de informação. É preciso conscientizar principalmente as meninas, que sofrem mais com fotos vazadas, já que ninguém diz que um garoto é “vadio”, “não se dá ao respeito’”, pondera, ao afirmar que a discussão também inclui um debate sobre machismo. “Vai mandar nude? Esconde o rosto, não mostra tatuagem, o quarto, nada que vá identificar. Você precisa saber se precaver neste novo tipo de sexo”, diz a palestrante, concordando com a fala da sexóloga Damasceno.

AS CAMISINHAS
Entre ser saudável e ser perigoso, o fato é que qualquer ser humano pode se render à vontade de testar a forma de prazer. Portanto, como em qualquer sexo, para não correr riscos, a camisinha é fundamental.

Aplicativos como o Snapchat apagam as imagens e/ou os vídeos enviados automaticamente após serem assistidos. A plataforma, porém, após ganhar popularidade em 2015, passou a receber formas para ‘burlar’ os prints delatados, ficando menos seguro para a prática.

De tal forma, apps não muito conhecidos acabam por emitir uma maior segurança para quem resolver transformar o celular em cama. Diversos programas atuais dão suporte para bloquear prints, para ter conversas que são automaticamente excluídas e para impedir a rastreabilidade das imagens, além de outras opções que acabam servindo como ‘camisinhas’ do sexting. Confira dicas:

CONFIDE (iOS e Android)
O Confide é um aplicativo, que permite enviar mensagens privadas e ousadas, sem que elas sejam salvas. Assim que lidas pelo destinatário, elas são automaticamente apagadas, assegurando que suas palavras permaneçam confidenciais e fora de registros de caixas de entrada e provedores de e-mail.

KABOOM (iOS e Android)
O aplicativo Kaboom tem como foco a privacidade em conversas pelo Facebook, WhatsApp e mais serviços. Os recados enviados têm o tempo limite de um minuto para expirar. Prazos novos também podem ser estipulados, indo até mil dias – a depender do desejo do usuário.

O recurso permite mandar mensagens em texto, fotos e registrar imagens com a câmera. Os recados enviados ficam organizados no app e as que tem o tempo esgotado são apagadas totalmente, para proteger a privacidade. Se preferir, ainda é possível escolher imagens salvas em serviços de nuvem ou registar pela câmera em tempo real.

PRIVATES (iOS)
O Privates é um aplicativo de mensagens seguras que promete proteger suas mensagens privadas de ponta a ponta, mesmo depois de terem sido lidas. O app impede que os destinatários façam e compartilhem cópias não autorizadas dos conteúdos. Além da criptografia, a ferramenta ainda traz proteção contra a captura de tela. É possível escolher com que rapidez as mensagens vão se autodestruir.

SIGNAL PRIVATE MESSENGER (iOS e Android)
O serviço gratuito é usado pelo ex-analista da CIA Edward Snowden, que ficou famoso após tornar públicos detalhes sobre programas de vigilância do governo americano.

O uso do app é muito parecido com o de outras ferramentas de mensagens instantâneas: funciona com janelas de chat, permite a criação de grupos e o uso de emojis. Também é possível acessá-lo por meio de sua extensão para o Google Chrome.

KIK (iOS e Android)
Kik é um aplicativo de mensagens que funciona apenas o nome do usuário, ou seja, sem precisar estar vinculado a um número de telefone. Com ele, é possível compartilhar de tudo: desde memes até vídeos. Além disso, o programa utiliza filtros que permitem decidir com quem falar, e você pode iniciar uma conversa de grupo público com até 50 pessoas com apenas uma hashtag, ou criar um grupo privado.

GOTAYA (Android)
O GotYa! permite descobrir quando alguém tenta acessar o seu dispositivo. O funcionamento dele ocorre da seguinte forma: ao errar a senha de acesso, o app tira automaticamente uma foto da pessoa (com a câmera frontal) e envia para o seu e-mail ou Facebook com a hora da tentativa de invasão.

 

A aplicação permite o controle remoto por SMS. Com ela, o usuário pode bloquear ou desbloquear o aparelho, solicitar a localização no momento, fazer uma chamada, iniciar o toque de um alarme (mesmo com o dispositivo desligado) e receber a notificação da mudança do cartão SIM.

É possível, ainda, receber a localização da pessoa que está utilizando o dispositivo no momento.

WICKR (iOS e Android)
Wickr é um aplicativo para envio de mensagens de texto, voz, fotos e arquivos. O app é dotado de protocolos de segurança e ausência de intermediação humana em seus trânsitos. Isso significa que tudo o que for veiculado pelo Wickr passará distante dos olhos curiosos de servidores e potenciais agências de segurança.

Cada mensagem ou envio criado terá um tempo de autodestruição estipulado. É possível utilizar a barra temporal do app para indicar intervalos entre três segundos e um dia. Ao final do prazo suas mensagens ficarão, determinadamente, offline da internet. No entanto, o app não conta com ferramentas para evitar registro de mensagens por meio de print screens, então cabe atenção ao utilizador sobre o que deverá ser publicado via Wickr.

CONVERME (iOS e Android)
CoverMe é um aplicativo gratuito que funciona como mensageiro instantâneo. Ele permite conversar através de texto, foto, áudio e vídeo de forma segura e privada.

A plataforma oferece privacidade ao enviar mensagens de texto e fazer ligações. É possível criar e excluir grupos, além de adicionar plano de fundo e apagar o que você mesmo acabou de enviar na conversa. Há a opção de definir o nível de segurança: normal, protegido, deletar depois de cinco minutos e autodestruição da mensagem após a leitura.
 

Além disso, só é possível destravar a tela do app com senha. Ele oferece, ainda, armazenamento de fotos, documentos, vídeos, notas, áudios e senhas de forma protegida.
 

TELEGRAM (iOS e Android)
O Telegram é o mensageiro instantâneo mais rápido do mercado, conectando pessoas de maneira única, distribuída entre diversos servidores ao redor do mundo.  Além de ser cripgrafado em qualquer instância, o Telegram oferece Chats Secretos. As mensagens dos Chats Secretos podem ser programadas para se autodestruir em todos os dispositivos.

TRASHEXIF (iOS)
TrashExif é um aplicativo que pode remover os metadados que são adicionados à foto. O usuário pode selecionar metadados para remover e também pode salvá-lo como um pré-ajuste. É possível remover os metadados da foto mais recente instantaneamente pela função "QuickRemove".

Os metadados são marcos ou pontos de referência que permitem circunscrever a informação sob todas as formas. Um exemplo simples do uso deste recurso seria a informação anexada aos arquivos PDF ou DOC contida nos mesmos arquivos e que indicam, entre outras informações, o autor do documento, a data e a hora de sua criação, além do detalhe de sua última modificação.

Semelhante ao Trashexif, o EZ UnEXIF deleta metadados em programas e aplicativos (como Instagram e Picasa) para Android.

BUTTERCUP (iOS)
Buttercup é um gerenciador de senhas de código aberto, disponível em todas as principais plataformas. Ele ajuda a rastrear e armazenar informações de login - para qualquer serviço - em um arquivo criptografado.

Os arquivos do botão de comando contêm grupos e entradas para que você possa gerenciar facilmente suas credenciais de login. Há também um aplicativo de desktop e uma extensão de navegador disponíveis, para que seja possível acessar os arquivos e credenciais em todas as plataformas.

O Buttercup foi projetado para ser usado com provedores de armazenamento em nuvem gratuitos, como Dropbox, ownCloud, Nextcloud e outros serviços habilitados para WebDAV. Nenhuma informação sobre o usuário é enviada para qualquer outro serviço.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga